Google+ Followers

segunda-feira, 28 de março de 2016

10 condições psicológicas bizarras que podem aparecer repentinamente

De: "HypeScience" noreply+feedproxy@google.com

10 condições psicológicas bizarras que podem aparecer repentinamente


Link to HypeScience

10 condições psicológicas bizarras que podem aparecer repentinamente
Posted: 27 Mar 2016 10:00 AM PDT
Imagine não entender mais como reflexos funcionam, ir ao dentista e perder a memória, não conseguir enxergar em 3D...

Navio naufragado da frota de Vasco da Gama é encontrado
Posted: 27 Mar 2016 09:00 AM PDT
Arqueólogos marinhos descobriram um navio português da frota de Vasco da Gama ao largo da costa do atual Omã, mais de 500 anos depois que a embarcação naufragou

Emissões de carbono de hoje são as maiores que se tem notícia
Posted: 27 Mar 2016 08:00 AM PDT
A taxa de emissões de carbono de hoje é maior do que a de qualquer momento nos registros fósseis, que remontam 66 milhões de anos no passado, durante a era dos dinossauros

Cientistas removem genoma do HIV de células humanas
Posted: 27 Mar 2016 07:00 AM PDT
Nova técnica remove completamente o HIV de células já infectadas e ainda por cima impede que o vírus da AIDS volte

Astrônomos observam as galáxias mais “absurdamente” luminosas
Posted: 27 Mar 2016 06:00 AM PDT
Os objetos são tão brilhantes que os cientistas dizem que as categorias estabelecidas de "ultra" e "hiper luminosas" usadas para descrever galáxias anteriormente não chegam nem perto de explicá-los

You are subscribed to email updates from HypeScience.
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google Inc., 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, CA 94043, United States

Facebook
Ajude Haiany Barbosa e Anninha Medeiros a comemorar seus aniversários
Sábado, 26 de março

Haiany Barbosa
Escrever na linha do tempo dela

Anninha Medeiros
Escrever na linha do tempo dela
Ir para o Facebook


Organizar um evento
Essa mensagem foi enviada para marlucepvn@uol.com.br. Se você não deseja receber esses e-mails do Facebook no futuro, cancele o recebimento.
Facebook, Inc., Attention: Community Support, Menlo Park, CA 94025
 

Joan Manuel Serrat canta " La Boca " poema de Miguel Hernández By Jagadir No Click !! pf svp pl

cherris furtado
16:25 (Há 3 horas)

De: Jagadir <jagadir2109@ono.com>
Enviado: terça-feira, 8 de março de 2016 13:06
Joan Manuel Serrat canta " La Boca " poema de Miguel Hernández By Jagadir No Click !! pf svp pl
José Antonio
jagadir2109@ono.com
Mi nuevo  ppsx         JOAN MANUEL  SERRAT         CANTA  EL POEMA  DE  MIGUEL HERNÁDEZ     “ la boca “
My new ppsx           JOAN MANUE  SERRAT    sings   the poem of MIGUEL Hernandez  "la boca"
José Antonio

LA BOCA
Boca que arrastra mi boca:
boca que me has arrastrado:
boca que vienes de lejos
a iluminarme de rayos.
Alba que das a mis noches
un resplandor rojo y blanco.
Boca poblada de bocas:
pájaro lleno de pájaros.
Canción que vuelve las alas
hacia arriba y hacia abajo.
Muerte reducida a besos,
a sed de morir despacio,
das a la grama sangrante
dos fúlgidos aletazos.
El labio de arriba el cielo
y la tierra el otro labio.
Beso que rueda en la sombra:
beso que viene rodando
desde el primer cementerio
hasta los últimos astros.
Astro que tiene tu boca
enmudecido y cerrado
hasta que un roce celeste
hace que vibren sus párpados.
Beso que va a un porvenir
de muchachas y muchachos,
que no dejarán desiertos
ni las calles ni los campos.
¡Cuánta boca enterrada,
sin boca, desenterramos!
Beso en tu boca por ellos,
brindo en tu boca por tantos
que cayeron sobre el vino
de los amorosos vasos.
Hoy son recuerdos, recuerdos,
besos distantes y amargos.
Hundo en tu boca mi vida,
oigo rumores de espacios,
y el infinito parece
que sobre mí se ha volcado.
He de volverte a besar,
he de volver, hundo, caigo,
mientras descienden los siglos
hacia los hondos barrancos
como una febril nevada
de besos y enamorados.
Boca que desenterraste
el amanecer más claro
con tu lengua. Tres palabras,
tres fuegos has heredado:
vida, muerte, amor. Ahí quedan
escritos sobre tus labios.
Análisis de La Boca

Miguel Hernández nos habla en este nuevo poema de la importancia que tiene para él la voz, todo lo que es capaz de transmitir por escrito y, a la vez expresarlo con la palabra, con la boca. A través de las diferentes estrofas desarrollará esta idea y la importancia de sus pensamientos como poeta y como altavoz de muchos.
Así, en la primera estrofa, la palabra, los versos del poeta son parte esencial e inseparable de su bagaje como autor, como escritor que habla a través de sus poemas del amor, de la lucha, del futuro. Esto es esencial en su literatura.
La siguiente estrofa, la imagen de un atardecer rojo que contrasta con una pared blanca, es una referencia clara a la casa o a la cárcel. El poeta es altavoz del pueblo, “la boca poblada de balas”. La muerte al final se reduce a un beso de despedida. La forma de la boca hace que los labios miren en sentido contrario, el superior hacia el cielo y el inferior hacia la tierra, pero que a la vez están unidos por la propia boca. Podríamos decir que el hombre y Dios están unidos, lo terrenal y lo espiritual van de la mano.
En los siguientes versos la muerte vuelve a recordar al beso de despedida, pero el sol, cuando sale, ilumina sus labios y lo hacen brillar y, durante un instante, lo hace revivir con una leve sonrisa vibrante. Avanza esta idea en la siguiente estrofa, en la que habla de un nuevo futuro, que se la ilusión de la juventud por vivir, por buscar el amor y ser una nueva generación que transforme el presente en algo mejor.
En la siguiente estrofa hay un recuerdo a todos aquellos que murieron por sus palabras y que ahora, poco a poco se recuerdan y entierran como debe hacerse. Este recuerdo a los muertos continúa en los siguientes versos. Han muerto por todo tipo de motivos y su imagen se antoja lejana y triste por su falta.
En una nueva estrofa se expresa que todo lo vivido, el odio, etc., no parece tener significado y no se parece a nada. El poeta se siente vacío en ese momento. El poeta quiere volver a sentir, a desear que el tiempo pase y dejar atrás los malos momentos. Quiere despertar de felicidad, al amor, a un nuevo y esperanzador futuro.
En la estrofa final, la fuerza de la palabra, de su poder para calar en las personas, hace que el mensaje de que un nuevo futuro es posible pueda llegar. Este se forma con palabras que representan la vida, la muerte y el amor, tres conceptos esenciales que todos llevamos impresos en nuestro interior.
Este correo electrónico se ha enviado desde un equipo libre de virus y protegido por Avast.
www.avast.com
Área de anexos
Visualizar o anexo Joan Manuel Serrat ( La boca ) poema de Miguel Hernández Jagadir.ppsx

Joan Manuel Serrat ( La boca ) poema de Miguel Hernández Jagadir.ppsx
 

Michelle Grant Horses Paintigs by Jagadir No Click !! pf svp pl

cherris furtado
16:25 (Há 3 horas)

De: Jagadir <jagadir2109@ono.com>
Enviado: sexta-feira, 11 de março de 2016 09:26
Michelle Grant Horses Paintigs by Jagadir No Click !! pf svp pl
Buen fin de semana.
Un abrazo
CABALLOS
Galopando por las praderas ,
con las crines al viento,
los intrépidos corceles  pasan
a las flores meciendo.
Retumba el verde suelo
con suave estrépito,
los esbeltos pegasos ,
brotan  latidos y ecos.
A la carrera, sin freno,
al frente el  horizonte sereno ,
arriba el celeste inmenso,
y su brío marca ,silbidos de fuego.
José Antonio
jagadir2109@ono.com


Michelle Grant

Monthly Classes | Workshops

Graduate, Alberta College of Art & Design 
Calgary, Alberta

A native Calgarian, Michelle Grant's art is intricately connected to the spirit, economy, and beauty of the horse in Alberta, yet her excellence in art has been internationally recognized. This passion for art and horses shows through her artistic works in a variety of mediums, which has resulted in many awards for her pencil drawings, watercolors, and oils.
Her work has been published in many books, magazines and calendars. It is not limited to work on canvas or paper, but is also seen on coins issued by the Royal Canadian Mint, including the 2005 Alberta Centennial 25 cent coin and 2002 Calgary Stampede 50-cent collector coin. Also, one of her paintings was selected to be included in 2009 Ducks Unlimited Canada National Art Portfolio.
Michelle has been featured on the award winning "Cowboy Country Television", "Help TV" on Access Television and her paintings used as props on the CBC's "Heartland" television series. Michelle and her work were featured on the Access television program "Hidden Gems" that aired in 2009.
The consistent quality of her work has resulted in its' collection by both private and corporate clients. At present, she continues to enjoy success working out of her home studio, and teaching art classes part-time at Swinton's Art Supply & Instruction.
[Jose Antonio]
Este correo electrónico se ha enviado desde un equipo libre de virus y protegido por Avast.
www.avast.com
Área de anexos
Visualizar o anexo Michelle Grant ( Pinturas de Caballos ) Jagadir.ppsx

Michelle Grant ( Pinturas de Caballos ) Jagadir.ppsx
 

Impeachment- participe

cherris furtado
14:45 (Há 5 horas)
Prezados, Feliz Semana !
ótimo dia    !


Multiplicando


At
Cherris Furtado
Emoji

De: Ana Cardoso <reginalameirocardoso@gmail.com>
Enviado: quinta-feira, 10 de março de 2016 09:35
Impeachment- participe
De: mbilton <mbilton@uol.com.br>
Data: 9 de março de 2016 19:23
Impeachment- participe
29/02/16 14:03:25: Alberto Kolm: Já esta no ar o site oficial para o Impeachment da presidente que acaba de ser lançado na Camara dos Deputados. Vote e faça sua parte -www.proimpeachment.com.br 👊🇧🇷 Espalhem para seus amigos!
Já tem 1350000 assinaturas. Até o congresso abrir temos q ter 5 milhões. Repassar freneticamente!!!
 

Paulo Henrique Amorim embolsa R$ 2,6 milhões do PT para criticar o juiz Sérgio Moro

cherris furtado
14:15 (Há 6 horas)
Prezados, Feliz Semana !
ótimo dia    !


Multiplicando
2 anexos
Visualizar o anexo ATT00001.jpg



ATT00001.jpg
Visualizar o anexo ATT00002.png

ATT00002.png
 

Fora Dilma e Lei pra Lula

cherris furtado
13:57 (Há 6 horas)
Prezados, Feliz Semana !
ótimo dia    !


Multiplicando


At
Cherris Furtado
Emoji

De: Irma Kruft Konig <irmakruftkonig@hotmail.com>
Enviado: segunda-feira, 21 de março de 2016 18:26
Fora Dilma e Lei pra Lula


Capa:
Por que Dilma deve sair?
Só com Dilma fora e Lula dentro da lei Brasil será salvo da crise e do caos.
Crise
Xô, Dilma & lei pra Lula
José Nêumanne
Com ela no poder e ele impune, a vaca afundará na lama
Fora Dilma! Nunca antes na História deste País foi tão fácil resolver com uma só penada e com efeito imediato uma crise política, econômica, moral e de vergonha na cara. Acabamos de saber que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 3,8% em 2015. Pela primeira vez em muito tempo, o índice de desemprego e a popularidade da presidente Dilma Rousseff rondam os 10% em movimentos inversos: o primeiro sobe e o segundo cai em proporções similares, que podem ser definidas por advérbios de modos: consistentemente, perigosamente, coerentemente.
O real se desvaloriza ante o dólar á medida que a ocupante do posto com maior poder no Brasil se mostra cega às evidências dos próprios erros e surda aos clamores da rua, mostrando-se capaz de ouvir apenas os berros cada vez menos volumosos, mas permanentemente mais furiosos, dos militantes dos partidos que lhe dão sustentação. E a moeda nacional, desamparada por um Banco Central absolutamente submetido ao poder republicano central, só reage nos mercados de valores quando vêm a lume evidências, ainda que frágeis e esporádicas, de enfraquecimento desse poder.
O desemprego cresce, porque as empresas estão fechando as portas numa avalanche de pedidos de concordata e falência inéditos. A popularidade da chefe do governo desaba ladeiro abaixo e sem freios. E qualquer brasileiro de posse de suas faculdades mentais sabe por que isso acontece. A redução da atividade no setor de serviços reflete a brutal queda da renda familiar. E ninguém precisa ser financista nem contador para saber que 100 mil negócios comerciais que deixaram de funcionar em 2015 não refletem o tamanho da crise no setor, pois no Brasil fechar um negócio qualquer sempre fica absurdamente caro. Só por isso, muitos comerciantes abrem e fecham suas portas de aço diariamente com cada vez menos funcionários e vendendo cada vez menos produtos de um estoque que se reduz e se deprecia porque não têm como bancar o encerramento de suas atividades negociais.
É grave a crise
O diagnóstico é comum a todos os brasileiros sensatos, sejam empregados ou empregadores, agentes da produção ou servidores do Estado. Todos reconhecem na política econômica errática, arrogante, autoritária e mercurial do governo federal a causa óbvia da catástrofe generalizada. O ano de 2016 se inicia com a previsão comum de qualquer brasileiro minimamente informado de que nunca em tempo algum se viu um empobrecimento tão absurdo: R$ 1,3 trilhão num par de anos.
Em 2015, só se salvaram na economia brasileira a banca financeira e o agronegócio. Este é um caso único de milagre brasileiro. Sua capacidade tecnológica, sua competência gerencial e sua tradição comercial conseguem superar todas as agruras econômicas do País e produzir resultados favoráveis. Nada abate o agronegócio: as invasões das propriedades rurais pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), as intempéries climáticas, a queda assustadora das commodities no mercado internacional e o desamparo de um governo incompetente, insensível e desgovernado não o abalam a ponto de tirar de seu desempenho o selo da qualidade e os balanços favoráveis.
Até 2015, as instituições financeiras prosperavam apesar da crise. Os dois maiores bancos privados do País publicaram balanços com recordes extraordinários de lucros, aparentemente desmentindo o discurso de um de seus representantes, o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, na reunião do tal Conselhão convocado por Dilma, de que todos, inclusive o setor dele, sofrem com os efeitos deletérios da confusão econômica. Mas não há um só economista confiável que não esteja aí a advertir para uma inevitável guinada nessa bonança contábil. O aumento da inadimplência reduz o bom humor dos gerentes autorizados a dar créditos a clientes que também receiam se endividar por não saberem se antes de vencer a primeira prestação ainda terão renda para pagá-la. Nenhum brasileiro, por mais sonhador ou imprudente que seja, se dispõe a tomar crédito sem saber se sua empresa continuará funcionando ou se a firma onde trabalha terá condições de pagar seu salário na semana seguinte.
Xô, Dilma!
Deste risco não escapa nem a mais poderosa de todos, a própria Dilma. A diferença crucial dela para os outros é que, enquanto cada um destes, ao perder o emprego, leva para casa mais um pedaço de desesperança coletiva, o que resta de força e desumanidade no temperamento alienado nela faz da perda de seu emprego a única nesga de esperança, a luz no fim do túnel, para que a situação, se não melhorar, pelo menos pare de piorar. Dilma no poder é uma bomba relógio que explode a cada segundo. A única forma de evitar a sequência de explosões que continuam a implodir o País é tirar de suas mãos a caixa infinita de fósforos com os quais acende o estopim da bomba.
Não se trata de panaceia, de receita miraculosa. É a constatação óbvia da realidade. Cada vez mais menos gente no Brasil e no mundo acredita, não apenas na palavra de Dilma, mas, sobretudo, na sua capacidade de encontrar uma solução qualquer, corriqueira ou mágica, para a péssima situação em que sua incompetência gerencial, a falta de percepção de sua escassa inteligência e seu temperamento impróprio para o convívio nos meteram. Tirar o estopim de suas mãos treinadas na clandestinidade na guerra suja contra o regime militar é missão urgente sem a qual não há salvação. Da mesma forma que o mercado mobiliário, os empresários desiludidos, os trabalhadores que estão perdendo suas ocupações, as pobres mulheres que parirão filhos com microcefalia, os negociantes que não têm mais clientes e os brasileiros que não têm pixulecos nem acarajés a receber do propinoduto das estatais sentirão enorme alívio quando souberem que ela tiver vazado.
Este texto não contém programa partidário nem quer convencer ninguém. Sua intenção é apontar para o óbvio. A retirada de Dilma do poder produzirá o efeito imediato do alívio e junto com ele virão a credibilidade e a confiança. É simples assim. Para que isso seja provado, contudo, há imensas dificuldades. Antes mesmo de concordar que não há como saber se o que está escrito aqui ocorrerá, é preciso ter honestidade intelectual para apontar a enorme dificuldade para que a proposta seja sequer iniciada. Ela depende de renúncia, impeachment ou cassação da presidente para que se comprove que sua saída produzirá o efeito favorável desejado.
Golpe, nunca mais!
Grande maioria de brasileiros não abre mais mão do fortalecimento das instituições democráticas
Para começo de conversa, é preciso deixar estabelecido o princípio civilizatório de que qualquer ruptura institucional seja indesejável. Golpe, intervenção militar ou pronunciamento, ao clássico estilo das republiquetas de bananas, inclusive na História do Brasil, não são viáveis nem produzirão o resultado com o qual o autor destas linhas conta com a saída voluntária ou institucional da responsável por todos os malefícios da atual situação. Do golpe militar que pôs fim ao Império em 1889 resultou uma República ilegítima que, embora tenha produzido uma prosperidade econômica espetacular, serviu de criadouro dos piores hábitos políticos da democracia disforme e nada funcional a que nos submetemos até hoje.
Conquistas pontuais - como o sufrágio universal, inclusive absorvendo o eleitorado feminino, a cédula única, depois substituída pela urna eletrônica, e a ascensão do povo ao poder – não compensaram os vícios resultantes da divisão do território em capitanias hereditárias e do coronelismo que se perpetua. De Deodoro a Dilma a democracia brasileira nunca deixou de ser meramente eleitoral e, ao que tudo indica, nunca deixará de sê-lo. Os chefes dos partidos, inclusive os que se dizem dos trabalhadores, são senhores feudais de facções que apresentam seus pretendentes ao poder monárquico da Presidência – e quem quiser que escolha entre um prócer indicado de cima para baixo e outro sem participar da escolha dos candidatos a mandatos fixos, agora com reeleição, nos quais mandam e desmandam como lhes apraz.
Os sábios republicanos que criaram este sistema iníquo, como de hábito ocorrem nos países colonizados, fingiram que copiaram a Constituição dos Pais Fundadores da Revolução Americana sem, contudo, abandonarem os hábitos e costumes do Império tropical. Qualquer um que acompanhe agora a escolha do sucessor de Barack Obama no Salão Oval da Casa Branca observa com estranheza as primárias dos democratas e republicanos, porque saíram do voto de cabresto da Velha República para o sufrágio eletrônico da múltipla escolha numa data só, de quadriênio em quadriênio. A perpetuação do assistencialismo demagógico na continuidade de algumas práticas coronelistas da Bolsa Família, a violência das militâncias falsamente ideológicas nas ruas e a obrigação de conviver pela eternidade de dois mandatos com um governo que desemprega, mata de fome e deixa o povo sem comer, ao contrário do Carcará, de João do Vale, feito sucesso na voz de Maria Bethânia, são evidências malsãs da vitória de Pirro da traição do marechal senil e adoentado que substituiu o imperador bonachão.
Positivismo & baionetas
O positivismo dos republicanos bem intencionados foi espetado na baioneta de Floriano Peixoto e Hermes da Fonseca e no autoritarismo de Artur Bernardes, o mineiro que instituiu o dístico que deveria substituir na Bandeira Nacional a sentença inspirada em Auguste Comte. Que “Ordem e progresso”, que nada! O que vale no Brasil desde sempre é “aos amigos, tudo; aos inimigos, o rigor da lei”.
Washington Luiz foi deposto por um pronunciamento militar chefiado por um civil que tinha sido seu ministro da Fazenda. O projeto modernizador dos tenentes resultou numa versão cabocla do fascismo de Benito Mussolini sob a égide de Getúlio Vargas, tratado depois como “pai dos pobres”. Este, tido por Dilma como frequente vítima de golpes, de fato venceu dois, ao ficar como presidente provisório em 1930 e ao ser eleito indiretamente em 1934, e ao se beneficiar de um autogolpe, em 1937. Mas só depois seria deposto duas vezes: primeiro pelo vento democratizante vindo da Europa ao fim da Segunda Guerra Mundial, quando seu antigo anspeçada Eurico Dutra pôs fim ao Estado Novo para presidir a República liberal, sob a Constituição udenista de 1946. Depois, saiu “da vida para entrar na História”, metendo uma bala no coração para evitar a segunda derrubada agora sob as baionetas da Aeronáutica, cujo líder, Eduardo Gomes, havia perdido nas urnas para o traíra Dutra e para ele próprio.
Os militares que derrubaram o governo democrático e populista do caudilho depois apeariam do poder seu delfim estancieiro, Jango Goulart, acusando-o de conspirar contra a democracia para instalar um regime de inspiração sindicalista no Brasil. O resultado foi semelhante ao do primeiro golpe republicano. A quartelada de 1964, promovida por militares que conspiraram contra tudo o que Getúlio representava, na ditadura ou na democracia, realizou um saneamento econômico. Mas patrocinou o terror e o ódio e esmagou a liberdade, transformando o Estado numa extensão das estrebarias dos regimentos de Infantaria do Exército.
O poder dos torturados
Dilma, que pegou em armas para derrubar a ditadura de direita e por no lugar outra de esquerda, é a primeira representante da geração forjada nas celas da ditadura a assumir o poder. Nessa condição, ela se apega à mentira cretina de que é uma heroína da luta pela reconstrução da democracia civil e atribui a quem pretenda retirá-la do poder a condição de golpista.
Como diria Jack, o Estripador, vamos por partes. Antes de tudo, seu desgoverno alucinado e descerebrado pegou carona no maior assalto aos cofres públicos da história da humanidade, iniciado na gestão de seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva. A posse deste em 2003 foi saudada como manifestação de vigor da democracia brasileira, com a chegada de um operário braçal ao maior dos poderes republicanos. Foi mesmo. Mas não foi só isso.
Em 1980, o Partido dos Trabalhadores (PT) foi fundado, não em associações sindicais, mas em dependências da Igreja Católica. Três grandes correntes fizeram isso. Os locais das reuniões inaugurais denunciavam a primeira delas: as pastorais progressistas. Os ideólogos eram remanescentes da guerra suja da extrema esquerda armada contra a ditadura tecnocrático-militar, que ruiria sobre os próprios pés de barro. E o charme obreiro que se tornou seu símbolo foi dado pela presença de sindicalistas ditos autênticos que, no ABC paulista, desafiavam pelegos do getulismo e comunistas de Prestes. Seu ícone era o ex-carregador de lavanderia e ex-torneiro mecânico Luiz Inácio da Silva, Lula. Apesar de este me ter negado autoridade para escrever o livro O que sei de Lula (Topbooks, Rio, 2011) negando me conhecer, mantive contato com ele desde meados de 1975, quando assumiu a presidência do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema (hoje do ABC). Conheci-o a ponto de saber que nunca foi comunista, socialista (nem fabiano, como seu conselheiro Delfim Netto), nem mesmo esquerdista. Sempre foi um cara que queria se dar bem na vida. E, como se deu, pode ser definido como um “self made man”. Não deveria ser definido por militância política, mas apenas como um oportunista. Muito bem-sucedido, é claro. Mas um oportunista. Como defini no livro citado, um Macunaíma, o herói sem nenhum caráter de Mário de Andrade. A definição pegou, a ponto de ser repetida a torto e a direito por intelectuais adversários dele – e, ao que tudo indica, tão oportunistas como ele.
Ei, isto é um assalto!
Retórica populista é só pretexto. O poder só interessa por possibilitar o furto do dinheiro público
A direita, que o detesta por motivos óbvios, mas nem assim razoáveis, atribui a Lula e ao PT o condão de tentar implantar no Brasil o bolivarianismo de seu amigo venezuelano Hugo Chávez. Da mesma forma como rotula seus asseclas Zé Dirceu, Dilma Rousseff, Antonio Palocci e Franklin Martins de comunistas. Trata-se de crassa ignorância histórica. O Partido Comunista Brasileiro, que nunca apoiou a luta armada que essa gente empreendia, sempre manteve distância do socialismo de resultados dos petralhas, feliz junção da sigla de seu partido com os Irmãos Metralha, de Walt Disney, da lavra do colega Reinaldo Azevedo. Há uma ilusão bastante disseminada entre os adversários do PT de que um tal Foro de São Paulo, patrocinado por Fidel Castro, Chávez, Lula e seus companheiros, inspira a prática política e a ação governista dos petistas.
Não é à toa que os direitistas nostálgicos da ditadura de 1964 apanharam sucessivas surras eleitorais dos padres de passeata e freiras de minissaia de Nélson Rodrigues, dos grupelhos de pequeno-burgueses que brincavam de revolução proletária, muitas vezes à custa da própria vida, a bem da justiça e da verdade, e dos sindicalistas de ocasião. A direita saudosa não consegue enxergar um palmo além de seus narizinhos arrebitados.
A retórica populista do lulopetismo é conversa pra boi dormir. O projeto de poder do grupo que foi empossado no alto comando federal em 2003, depois de várias experiências municipais e estaduais, conforme está largamente provado pelos casos Bancoop, Celso Daniel, Mensalão e Petrolão, que, na verdade, são um escândalo só, não passa por nada que possa ser definido como socialismo fabiano, social democracia, comunismo, marxismo-leninismo, stalinismo, troskismo, maoísmo, castrismo, bolivarianismo, peronismo, sandinismo ou coisa qualquer que os valha. A leitura do noticiário da execução de Celso Daniel, da entrevista que o ex-comandante militar do seqüestro do embaixador americano Charles Elbrick no Rio, o guerrilheiro Paulo de Tarso Venceslau, deu ao repórter Luiz Maklouf de Carvalho, que ocupou inéditas seis páginas do Jornal da Tarde e dos autos da condenação dos altos dirigentes petistas na Ação Penal (AP, que, aliás lembra a velha Ação Popular de guerra) 470 e dos fatos devassados pela Operação Lava Jato, mostra que se tratou sempre, desde o começo, em todos os lugares, de um assalto. Um mero roubo, comparável com o furto do cofre de Ana Capriglione, a amante que Adhemar de Barros chamava de “Dr. Rui”, com o assalto ao trem pagador comandado por Tião Medonho ou com o ao Banco Central em Fortaleza.
A retórica bolivariana apenas serviu de pretexto para dar um tom político ao roubo de bilhões do Erário. E para garantir a permanência em postos de comando que possibilitassem roubar sem ser preso e apenado. Fernando Gabeira, como Dirceu e Dilma um ex-guerrilheiro, definiu, de forma definitiva e lúcida, a prática: roubar para ganhar. Entenda o leitor o verbo ganhar em seus dois sentidos – ganhar eleições para ficar no poder e ganhar muitos pixulecos para enriquecer. Se houve algum projeto de poder ao longo destes 13 anos, foi um mero plano de roubo. De matar de inveja o ladrão de casaca na Riviera e gente que ficou rica administrando cofres públicos, caso dos notórios Moisés Lupion, Haroldo Leon Peres e tantos outros que fizeram fortuna e fama explorando a boa fé alheia.
Os idiotas da direita – e não são poucos os idiotas na direita – pensam que o que aproxima essa turma do assalto à Petrobrás, ao BNDES e aos fundos de pensão de Fidel Castro é a saga romântica de Sierra Maestra ou o charme de Che Guevara. Permita-me parar para gargalhar. O que aproxima essa gente investigada pela Polícia Federal (PF), pelo Ministério Público Federal (MPF) e por Sérgio Moro de comunistas como os irmãos Castro e José Eduardo Santos não são os compêndios de marxismo nem os ideais da Teologia da Libertação. Mas o amor em comum à fortuna fácil e ao conforto que o luxo traz. Cristina Santos, filha do ditador angolano que se reelege permanentemente mercê da criatividade de marqueteiros treinados no Brasil pelo PT, é a mulher mais rica da África. E a fortuna amealhada por Fidel e Raul é bastante volumosa, embora não possa ser comparada às de seus prosélitos brasileiros.
Oposição incompetente
O único argumento aceitável a ser dado pela oposição brasileira, de direita, centro ou esquerda, para justificar sua incapacidade de enxergar o óbvio e ouvi-lo ulular é que em sua ancestral prática de furtar o povo nunca alcançaram a eficiência nem o sucesso contábil obtido na prática da corrupção por seus adversários da esquerda. Não apenas o PT, mas também PMDB, PCdoB, PDT e toda essa miríade de oportunistas que se reúnem para pilhar sob a égide do oportunista-chefe.
Fique, então, claro que golpe contra instituições não é desejável, não só porque intervenções ferem de morte instituições que a quase totalidade, do povo brasileiro prefere que se mantenham vivas e ativas. Mas também porque seus resultados são sempre nefastos a longo, médio ou curto prazos. Assim foi com a República derrubando o Império, os tenentes afastando de cena as elites rurais da Primeira República, a sucessão de golpes a favor e contra Getúlio e a “gloriosa” de 1964.
Não há golpe à vista por muitos outros motivos além deste. Desafio qualquer leitor desta revista a me apresentar um oficial na ativa (não me venham com velhotes de pijama) que esteja interessado em dissolver a ordem constitucional, como o general Médici dissolveu a comissão técnica da seleção nacional de futebol, treinada por João Sem Medo Saldanha, às vésperas da Copa de 1970, no México. E. caso essa improbabilidade se torne possível, eu só aceitaria que o repto seja considerado consumado se o indigitado passasse por exame por uma junta de psiquiatras. Pois não há mais clima para pronunciamentos militares nem ambiente para intervenções antidemocráticas de qualquer natureza.
Renúncia ou deposição
Excluídas aventuras desventuradas anti-institucionais, resta-nos apreciar renúncia ou deposição nos moldes constitucionais. Proponho um exercício de lógica que inclua o suicídio de Getúlio entre as modalidades de renúncia. Pressionado pela República do Galeão, engolfado numa série de denúncias de corrupção, combatido por oposicionistas talentosos como Carlos Lacerda e Afonso Arinos de Mello Franco, o caudilho renunciou ao poder e à vida ao mesmo tempo. O resultado não deve ser comemorado, pois não teria sentido festejar a morte de alguém, sendo ou não um líder. Mas também não foi de todo trágico. O morto foi substituído por seu vice, Café Filho. E o ministro da Guerra nomeado por Café, marechal Henrique Lott, garantiu com um antigolpe a posse do eleito, Juscelino Kubitschek. A dupla renúncia do caudilho não deixou de ser a realização do que pretendia com seu gesto extremo: os golpistas recolheram-se aos quartéis e o candidato que ele preferia assumiu seu lugar.
Outra renúncia, de fato, foi muito traumática. Eleito com entusiástico apoio popular, Jânio Quadros tentou fechar o Congresso que o incomodava com um autogolpe e teve suas intenções malogradas. Mais uma vez, os militares de direita tentaram interromper o processo democrático, o vice Jango foi forçado a aceitar um parlamentarismo imposto e terminou sendo derrubado.
Só que felizmente hoje não há possibilidade de que algo similar venha a ocorrer com uma eventual renúncia de Dilma. Não se registra nenhum burburinho nos quartéis nem há oposição semelhante à que Jânio conseguiu provocar. A renúncia de Dilma, possibilitando a posse de seu vice, Michel Temer, é impossível, mas por outro motivo: faltam-lhe inteligência, entendimento e desprendimento para o gesto de Getúlio e a popularidade que Jânio tivera na eleição. De qualquer maneira, tal hipótese nãopode ser totalmente afastada, porque a situação política e a crise econômica podem chegar ao ponto de conseguir flexibilizar as escassas inteligência e sensibilidade da chefe do Poder Executivo, levando-a, não ao suicídio, mas à retirada de cena. Afinal, comparado com a avalanche de corrupção nos últimos 13 anos, o histórico “mar de lama” de Vargas no começo dos anos 50 não passava de uma pocinha.
O precedente Collor
Em 1992, o presidente não tinha partido nem apoio. Hoje Dilma ainda conta com ambos
Afastadas as hipóteses de renúncia e golpe, resta, então, a deposição. Esta está na ordem do dia por duas vias. A primeira delas é o impeachment. Não há propriamente uma tradição histórica deste método de afastamento de presidentes eleitos pelo povo que burlam a lei na vigência do mandato. Mas há um exemplo próximo em tempo e modelo, o de Fernando Collor de Melo há 24 anos. Este se viu praticamente sem quem o valesse quando foi denunciado pelo irmão, Pedro, na capa da revista Veja , de práticas ilícitas de seu tesoureiro, Paulo César Farias, o PC. Apesar de manobras desesperadas, como a nomeação de um ministério dito ético, acima de suspeita moral, Collor foi deposto em sessão histórica do Congresso Nacional, presidida pelo então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Sidnei Sanches.
A democracia tinha sido recém-conquistada. Não havia exemplo anterior e, sem base parlamentar, o primeiro presidente eleito após mais de dois decênios de intervenção autoritária no Poder Executivo caiu e com isso encerrou a chamada “década perdida”, iniciada com a crise do petróleo no penúltimo governo militar.
Como hoje, havia sérias dúvidas sobre sua sucessão, pois o vice, o baiano com história política em Minas Itamar Franco, não era unanimidade nacional. No entanto, foi justamente no mandato-tampão do ex-prefeito de Juiz de Fora, que também seria governador de Minas, foi promovida, sob a égide de um grupo de economistas acadêmicos, sob a batuta do professor Fernando Henrique Cardoso, improvisado no Ministério da Economia, o Plano Real. Este domou a inflação renitente e produziu a maior revolução social no País em todos os tempos. Sob o comando de um governo de união nacional, composto a partir dos partidos que apoiaram a deposição do presidente acusado de corrupção, do qual o PT, que já tinha relutado em assinar a Constituição de 1988 (o que só fez por insistência do líder da resistência ao regime, Ulysses Guimarães), se escusou de fazer parte, foi iniciado e depois prosseguido pelo sociólogo da Universidade de São Paulo (USP) um ciclo virtuoso de prosperidade, formado pelas duas gestões de Fernando Henrique e pelas duas de Luiz Inácio da Silva, que as sucederam.
O exemplo do político interiorano, que era ridicularizado e saiu da Presidência consagrado por sua postura ética e pelo desempenho da economia, mostrou a força das instituições que ainda engatinhavam. E o acerto da substituição do líder voluntarioso e desastrado, que pôs por terra as esperanças de uma sociedade que via nele um “caçador de marajás” e um gestor moderno. A hipótese de o impeachment se repetir agora é, contudo, atrapalhada por diferenças fundamentais.
Impeachment ou cassação?
A primeira delas é que, ao contrário do Collor, Dilma tem forte apoio parlamentar, apesar de este estar se desmanchando ao peso de sua atabalhoada gestão da economia e da completa inaptidão pela política por parte dela. De qualquer maneira, esse apoio no Legislativo se tem mostrado suficiente para tornar improvável a aprovação de seu afastamento por dois terços dos deputados federais. À custa de ocupação da máquina pública no presidencialismo de coalizão vigente, o núcleo de poder no Palácio do Planalto tem mantido a ferro e fogo o voto de um terço na Câmara dos Deputados, apesar do combate feroz e renitente de um ex-aliado que se sentiu abandonado pelos comparsas no poder federal e passou a atuar na linha de frente dos que se dispõem a puxar o tapete da presidente.
Num desses fatos inexplicáveis que marcam a política, parte da força da chefe do Executivo é justamente a insistência com que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha força sua saída. Numa brilhante jogada de marketing, a última que lhe restou, Dilma conseguiu incutir na sociedade a percepção de que o processo a que responde na Câmara deve-se exclusivamente ao desejo desesperado de vingança do deputado fluminense. Mesmo os 60% dos entrevistados das pesquisas de opinião pública que desejam seu impeachment se sentem enfraquecidos na luta para que seu anseio seja atendido pela malquerença generalizada em torno do chefe da Mesa da Câmara, cujo afastamento é apoiado por 76%.
Dilma também tem forte apoio entre acadêmicos, intelectuais e nos meios culturais e artísticos. Esse substrato social nutre a crença de que os governos do PT – que, na prática, imitaram Robin Hood pelo avesso, roubando recursos dos pobres para encher os bolsos de companheiros dos partidos da base governista – resultam da vontade popular e enfrentam a oposição das elites (zelite) capitalistas, fascistas e de direita. E luta com todas as armas retóricas e a pauladas e pedradas nas ruas para manter seus privilégios a qualquer custo.
O principal pretexto para tanto é o chamado golpismo. Fruto e beneficiária de uma educação falha, Dilma apela para fantasias sem sustentação na vida real e na História, tais como sua luta pela democracia contra a ditadura, apoiando-se nas lembranças de líderes, como Getúlio, que foi ditador fascistoide e presidente eleito populista, para confundir deposição prevista na Constituição com todas as letras com golpe militar. A filósofa que disse detestar a classe média, Marilena Chauí, chegou a  afirmar, em entrevista que resultou em reportagem capa na revista Cult, que o golpe de1964 parecia uma “coisa simples”, comparado com o que acontece. Numa agressão grosseira à História, o badalado historiador Leandro Karnal chegou ao cúmulo de dizer em palestra que “quem lê Veja é fascista”.
Chega de exemplos. Este texto já está contaminado demais de burrice arrogante. Eles apenas servem para mostrar a que ponto pode chegar a empáfia acadêmica quando submetida à servidão ideológica. O certo é que o impeachment de Dilma agora é, como tinha sido o de Collor, legítimo e democrático, porque previsto na Constituição em vigor. Apenas difere nas evidências do apoio que a presidente tem e o ex não teve no Judiciário e na agressividade da militância que a apóia nas ruas.
Lavando propina
Tudo vai mal, mas a Lava Jato comprova que pelo menos ainda podemos contar com a sorte
Outra forma de deposição que não justifica a definição de golpista são as ações contra a chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Neste caso, ela tem contado com o apoio tácito de vários juízes/as que nomeou para o colegiado e que têm demonstrado mais subserviência ao poder do que à Pátria. De qualquer maneira, as evidências de que sua vitória nas urnas pode ter sido comprada com propina da Petrobrás e outras estatais a põem de sobreaviso. E neste caso a dicotomia com Eduardo Cunha perde o sentido. Aí, é esperar para saber que providências o Imponderável de Almeida ainda tem para oferecer ao Brasil.
Esta paródia de Nélson Rodrigues (Sobrenatural de Almeida no futebol) para a crônica policial e política tem razão de ser. Basta acompanhar a saga da Operação Lava Jato para contar com ela. Concluído o Mensalão, a Operação Castelo de Areia submergiu nos tribunais superiores ao excesso de recursos, uma jabuticaba bem brasileira, e ao duvidoso comportamento dos juízes dos tribunais superiores, em especial os de terceira instância. Este não foi o caso da Lava Jato até agora graças a uma plêiade de coincidências favoráveis á descoberta da verdade.
Tudo começou na devassa da contabilidade de um posto de gasolina no Planalto Central do Brasil. Poderia haver algo mais improvável do que de uma investigação corriqueira dessas vir à tona o maior escândalo de corrupção da História do Brasil, quiçá do mundo? Pois foi de lá que saiu o Petrolão. Na meada vieram de lambujem BNDES, CARF, o caso Eletronuclear, etc. E, sobretudo, as evidências de que, na verdade, tudo se resumia num escândalo só, que, em homenagem à criatividade do marqueteiro que fundou o “nós contra eles”, que mantém o PT no poder federal desde o início do segundo governo Lula, João Patinhas Santana, o chefe do casal Feira e agora o João Sem Braço da vez, poderemos simplificar chamando de República dos Acarajecas (os jecas que depositam acarajés em cofres de contas sigilosas na Suíça).
São muitas as coincidências nas diversas ocorrências que evitaram que a Lava Jato não repetisse a Castelo de Areia. A primeira delas foi o fato de o doleiro chinfrim de Londrina Alberto Youssef (ninguém ainda reparou que um R e mais um f o separam do sobrenome da Número Um?) ser o Lavador-Mor da República, de Paulo Maluf ao petroleiro Renato Duque.
Muitas outras a completam: a morte do gênio dos processos vitoriosos em tribunais superiores e mago das chicanas Márcio Thomaz Bastos, que acompanhava Lula desde os julgamentos na Justiça Militar à época da ditadura. E a conjunção formada por Sérgio Moro, os jovens, honrados e preparados procuradores e agentes federais lotados em Curitiba no comando da operação que está investigando, denunciando e condenando a fina flor da Quadrilha do Pequi (em homenagem ao delicioso e açucarado licor do fruto da palmeira do Centro-Oeste), encabeçada pelo ex-líder do desgoverno da petista de Dilma Vana, Delcídio (do) Amaral.
A Moro, responsável por brilhantes votos de Rosa Weber no julgamento da AP 470 no STF, especialista renomado internacionalmente pelo conhecimento técnico do crime da lavagem de dinheiro, coube comandar a ação, ao voltar à primeira instância, instalada em Curitiba, capital do Estado do Paraná, onde nasceu, viveu e prosperou o sucedâneo de Toninho Barcelona nas artimanhas da lavagem de dinheiro de empresários e políticos corruptos em paraíso fiscal.
Lei pra Lula
Muita gente teve a sensação de estar vivendo um momento histórico importante ao ver o noticiário da condução coercitiva de Luiz Inácio Lula da Silva para depor na PF. Como este diria, “menas”: a Operação Lava Jato fez história ao apenar empreiteiros, petroleiros e políticos corruptos, muitos deles na cadeia. Outros em vias de. E mais histórica do que a condução coercitiva dopadim Lula Romão Batista foi a decisão do STF de autorizar juízes a manterem presos condenados em segunda instância e que recorrem à terceira, à quarta ou aos beneplácitos para privilegiados agraciados pelo Conselho Nacional do Ministério Público, com suas óbvias pretensões à condição de instância intermediária (a quinta?).
Outro avanço civilizatório anterior a este foi o pacto contra a corrupção, do qual o Brasil é signatário e que serviu de inspiração para o aprimoramento do instituto da delação premiada, que deflagrou a Operação Mani Puliti na Itália e ajuda há muito tempo a polícia e a Justiça americana a mandarem para a cadeia delinquentes que tomam muito cuidado em ocultar patrimônio e crimes, mas deixam sempre em aberto os caminhos da devassa fiscal e contábil e da delação dos cúmplices.
Não perderei espaço e seu tempo para argumentar contra o esperneio de advogados grã-finos contra essas conquistas, pois tenho de usá-los para por em dúvida a honra pessoal de Dilma, lembrando os três artigos em que o especialista em combate à corrupção Modesto Carvalhosa denunciou noEstadão a insistência com que Dilma e seus asseclas jurídicos tentam livrar a cara dos empreiteiros amigos e corruptos e demonizar, ou até reduzir, os efeitos da delação premiada.
E guardar o espaço final para reservar uma reprovação indignada ao papel nojento que a oposição congressual tem feito à República dos Acarajecas. A oposição a Dilma e Lula nestes 13 anos tem sido covarde, incompetente e ineficaz. Todos os dissabores que os assaltantes do dinheiro público tiveram neste ínterim foram provocados pela PF, pelo MPF e por alguns juízes honestos, corajosos e competentes, como Moro. O trabalho destes tem chegado à sociedade por alguns lampejos de independência, civismo e coragem de profissionais de comunicação. Nunca oposicionista nenhum subiu a qualquer tribuna no Brasil para denunciar nada de novo.
Ocorre que o “Diário do Judas” (como definiu o colega José Casado em artigo no Globo) – relato circunstanciado feito por Delcídio das traquinagens de Lula, Dilma, Dirceu et caterva faz uma revelação interessante. O Mensalão, que abriu a temporada de caça aos ratos, em nada alterou o mito do teflon que sempre impediu que Lula respondesse pelo crescimento exponencial de seu patrimônio. Um dia antes da condução coercitiva dele, contudo, a revista IstoÉrevelou a delação do ex-líder do desgoverno Dilma no Senado. E nesta há a preciosa informação de que foi feito um acordão com a oposição para poupar o clã Lula da Silva na investigação na CPI dos Correios, que detonou a delação de Roberto Jeferson e, em conseqüência, o Mensalão. Ou seja: a Operação Lava Jato agora tem a obrigação de informar á Nação se a oposição não foi apenas covarde e incompetente, mas também cúmplice, no mínimo leniente.
Este questionamento me leva a abordar o último argumento para manter o poste sem lâmpada plantado no asfalto: quem por no lugar? A resposta é: não importa. Mais relevante do que o combate entre o lobo Cunha e a vovozinha Dilma é a luta definitiva entre a democracia que garante os direitos e o patrimônio de todos, protegidos pela força-tarefa de Curitiba e a permanência dela. A luta também se trava nas ruas. Quem faltar às manifestações do domingo prestigiará Dilma e prejudicará Moro. Quem protestar na rua no domingo 13 estará dando sua contribuição para restaurar no Brasil o princípio basilar da democracia de que todos são iguais perante a lei, inclusive ex-presidentes. Como Lula.
No novo Brasil que bate à porta da História, acompanhando o Japonês da Federal, o lema da República Velha deve ser “para todos, o rigor da lei”. Pois o Estado Democrático de Direito não está aí para tornar ninguém impune.
José Nêumanne é escritor, poeta, jornalista e comentarista de rádio e televisão.
2 anexos
Visualizar o anexo AE 457 - FORA DILMA v3 correcao 07032016 v2.pdf

AE 457 - FORA DILMA v3 correcao 07032016 v2.pdf
Visualizar o anexo foradilma.doc.docx

foradilma.doc.docx
 

URNAS 2014 ( SE FOR VERDADE É UM HORROR.

cherris furtado
13:24 (Há 7 horas)
Prezados, Feliz Semana !
ótimo dia    !


Multiplicando


At
Cherris Furtado
Emoji

De: Irma Kruft Konig <irmakruftkonig@hotmail.com>
Enviado: sexta-feira, 25 de março de 2016 17:06
URNAS 2014 ( SE FOR VERDADE É UM HORROR.)

> Ultima BOMBA das ELEIÇÕES 2014 DIVULGADO O ESCÂNDALO QUE TODO MUNDO SUSPEITAVA! Isso explique a razão de Marina Silva ter declarado a seguinte frase:- Se as pessoas soubessem o que aconteceu nas Eleiçoes de 2014, ficariam enojadas!. Todos os anti-nazistas ficaram chocados e tristes por assistir a maneira como o Aécio perdeu as Eleições. Não deveriam. O que está exposto abaixo é a notícia em primeira mão que está sendo investigada por rádios e jornais de todo o Brasil e alguns estrangeiros, mais especificamente Wall Street Journal of Americas e a VEJA e deve sair na mídia em breve, assim que as provas forem colhidas e confirmarem os fatos.Fato comprovado:O PT COMPROU e VIOLOU as URNAS ELETRÔNICAS. Alguns ministros, Deputados do PT e a Presidenta Dilma foram avisados, às 08:00 do dia 04 de setembro(1 mês antes das eleições), em uma reunião de emergência envolvendo o Sr. José Inácio Lula da Silva (na única vez que o ex-Presidente compareceu a uma reunião no TSE), a Presidenta Dilma, o Ministro José Dias Tofolli, o Sr. José Maduro Presidente da Venezuela, O Sr Gilberto Carvalho, e o Sr. Ronald Rhovald, representante da OAS. Membros do staff da Presidenta e os e ministros permaneceram em isolamento, em seus quartos ou no lobby do hotel.A princípio muito contrariado, o Ministro Tofolli se recusou a violar as urnas eletrônicas por um grande valor em dinheiro. A aceitação veio através do pagamento total de US$7.000.000,00 mais um bônus de US$4.000.000,00 para todos os integrantes da alta corte do TSE , num total de US$ 35.000.000,00 trinta e cinco milhões de dólares) através da empresa OAS.Além disso, cada um dos sete Ministros aceitaram um depósito mensal numa off shore nas Maldívias pelos próximos 4 anos nas mesmasMesmo assim, o Ministro Luiz Fux se recusou, o que obrigou Lula a afastá-lo e colocar o Ministro substituto Teori Zavascky em seu lugar, dizendo que Fux estava com problemas simples nas costas (em primeira notícia divulgada às 15:30 no centro de imprensa).A sua situação só foi resolvida após o representante da OAS ameaçar denunciar propina paga anos antes para o Ministro, no valor de US$ 30.000 e ainda lhe garantir um depósito vitalício , no valor de US$90.000.,00 (noventa mil dólares) ao longo da sua carreira.Assim, combinou-se que o Aécio seria derrotado durante a apuração das urnas do Nordeste, porém a apatia que se abateu sobre a militância psdbista ante os resultados das pesquisas do IBOPE (também compradas) fez com que Aécio perdesse também em Minas Gerais e em Pernambuco, sem que absolutamente nenhuma violação àquelas urnas fossem feitas.O Sr. Fidel Castro, presidente de Cuba, aplaudiu a colaboração dos Ministros brasileiros, uma vez que a vitória de Dilma trouxe equilíbrio à América do Sul num momento de crise jamais registrada naquela região, com crescente xenofobia e o reaparecimento do neoliberalismo.Garantiu, também, a Lula, através de seu filho, Lulinha, que o seu pai teria seu caminho facilitado para ser Presidente em 2018.
 

Rodrigo

GM - cesarjbn <cesarjbn@gmail.com>
12:22 (Há 8 horas)
Rodrigo.
Infelizmente, o Paulo me alertou sobre uma perda inesperada para meus planos caso feche a compra do imóvel, a seguir relato:
1 - O entrave esbarra no Imposto de renda (IR) sobre os investimentos, nesse caso teria um razoável prejuízo.
2 - É que a tabela do IR tem a seguinte variação:
a) 27,50 % para cálculo sobre rendimentos com até 5 anos sem saques;
b) 15 % a partir do primeiro dia após os 5 até 10 anos; e finalmente;
c) 7,50 % a partir do primeiro dia após 10 anos.
De forma que o meu caso enquadra-se na faixa a) 27,50% - só para o ano, mês de março, mudo para b) 15 %.
Assim, teria um prejuízo acima de R$ 20 mil caso compre o apartamento, agora.
Segundo o gerente só depois de março de 2017 esse negócio seria vantajoso pra mim.
Lastimável te dizer isso, enfim não foi desta vez; peço desculpas a todos, e a vida continua com seus percalços.
Marluce, também, sentiu muito por você e solicita que agradeça o casal em nosso nome. Grato.
Sds/César e Marluce
Que isso seu César.
Não tem problema.
Queria muito que o senhor tivesse com essa unidade pois realmente está muito abaixo do valor de mercado e o apartamento está todo equipado
Mas em outra oportunidade procuro algo p o senhor
EU: Valeu filho, conte conosco.
Concordo contigo; realmente é uma grande chance perdida!
Enviado do meu iPhone
Ele: Apesar que depois de Março de 2017 os preços sobem e achar uma oportunidade dessa pode ser difícil
Mas enfim
Estou a disposição
O q precisar mande as ordens
EU: 👍👆👏👏👏
 

Importante

GM - cesarjbn <cesarjbn@gmail.com>
09:59 (Há 10 horas)
PREVENÇÃO CONTRA GRIPE H1N1
Gripe: IMPORTANTE
Repassando.......
Segundo os jornais, vamos ter um surto de gripe lá para meados de ABRIL.
Assim reenvio esta recomendação, aviso que recebi hoje e que vou seguir escrupulosamente.
O Dr. Vinay Goyal, urgentista reconhecido mundialmente, diretor de um departamento de medicina nuclear, tiroídica e cardíaca pede para você divulgar a mensagem abaixo para o maior número de pessoas possível, a fim de contribuir para minimizar o número de casos da Gripe A, causada pelo vírus H1N1.
"As únicas vias de acesso para o vírus da gripe são as narinas, a boca e a garganta.
Em relação a esta epidemia tão vastamente propagada, apesar de todas as precauções, é praticamente impossível não estar em contato com portadores do vírus que a promove.
Contudo, alerto para o seguinte: o problema real não é tanto o contato com o vírus, mas a sua proliferação.
Enquanto estamos em boa saúde e não apresentamos sintomas de infecção da gripe A (H1N1), há precauções a serem tomadas para evitar a proliferação do vírus, o agravamento dos sintomas e o desenvolvimento das infecções secundárias.
Infelizmente, estas precauções, relativamente simples, não são divulgadas suficientemente na maior parte das comunicações oficiais.
Porque será?
Por ser barato demais e não haver lucros?
Eis algumas precauções:
1. Como mencionado na maior parte das publicidades, lave as mãos frequentemente.
2. Evite, na medida do possível, tocar no rosto com as mãos.
3. Duas vezes por dia, sobretudo quando esteve em contato com outras pessoas, ou quando chegar em casa, faça gargarejos com água morna contendo sal de cozinha.
Decorrem normalmente 2 a 3 dias entre o momento em que a garganta e as narinas são infectadas e o aparecimento dos sintomas.
Os gargarejos feitos regularmente podem prevenir a proliferação do vírus.
De certa maneira, os gargarejos com água salgada têm o mesmo efeito, numa pessoa em estado saudável, que a vacina sobre uma pessoa infectada.
Não devemos subestimar este método preventivo simples, barato e eficaz.
Os vírus não suportam a água morna contendo sais.
4. Ao menos uma vez por dia, à noite, por exemplo, limpe as narinas com a água morna e sal.
Assoe o nariz com vigor, e, em seguida, com um cotonete para ouvidos (ou um pouco de algodão) mergulhado numa solução de água morna com sal, passe nas duas narinas.
Este é um outro método eficaz para diminuir a propagação do vírus.
O uso de potes nasais para limpeza das narinas, contendo água morna e sal de cozinha, é um excelente método para retirar as impurezas que albergam os vírus e bactérias; trata-se de um costume milenar, da Índia.
5. Reforce o seu sistema imunitário comendo alimentos ricos em vitamina C.
Se a vitamina C for tomada sob a forma de pastilhas ou comprimidos, assegure-se de que contém Zinco, a fim de acelerar a absorção da vit. C.
6. Beba tanto quanto possível bebidas quentes (chás, café, infusões etc.).
As bebidas quentes limpam os vírus que podem se encontrar depositados na garganta e em seguida depositam-nos no estômago onde não podem sobreviver, devido o pH local ser ácido, o que evita a sua proliferação."
Amigo (a):
Será uma grande contribuição se você fizer chegar esta mensagem ao maior número de pessoas possível.
Você prestará um serviço de grande utilidade pública, ajudando no combate desta gripe que já dizimou tantas pessoas.
Enviado do meu iPhone









Nenhum comentário:

Postar um comentário